A batalha da educação. As crianças portuguesas não podem esperar mais e a nossa terra não pode morrer. Está em causa a sobrevivência nacional e o povo não pode perder

Descrição
Resume a intervenção de Veiga Simão na tomada de posse de novos-diretores gerais, na qual defende a reforma como algo fundamental, defendendo-as de "críticas demagógicas" dos que entendem que a democratização do ensino só é acompanhada de modificações radicais das estruturas sociais e políticas. Lamenta o sectarismo e a dificuldade de ultrapassar barreiras dos que estão cegos pelas suas ideias.
Data de publicação
Extensão
2 f.
Tipo de documento
Recorte de jornal
Idioma
por
Coleção
Ensino